Tempos Modernos e o medo do fracasso

Quando se iniciou a trama das 7 da Rede Globo, Tempos Modernos, afirmei que aparentava ser uma novela revolucionária que, aparentemente, iria reescrever o jeito de se fazer teledramaturgia no Brasil. Primeiros 30 capítulos completamente diferente de tudo que se viu na televisão brasileiro, um jeito novo, ritmo acelerado, humor refinado e, principalmente, situações e conflitos que fugiam completamente do tom folhetinesco a que estamos acostumados.

Com personagens profundos, porém completamente irreais, a trama da Globo apresentava em seus diálogos citações de obras clássicas da arte mundial, passeando por nomes da Literatura, cinema e teatro. Tudo se encaixava perfeitamente na proposta da novela e caminhava a passos largos para ser a melhor novela das 7 da década. Porém, a audiência não correspondeu. O público, acostumado a assistir folhetins em que todas as informações são muito mais mastigadas, rejeitou completamente o método que o autor Bosco Brasil utilizou para escrever sua trama e os números consolidados de sua antecessora Caras e Bocas despencavam dia após dia, tornando Tempos Modernos a pior média parcial da história do horário.

Não é possível afirmar se houve pressão da cúpula global, mas o fato é que, a partir da primeira pesquisa encomendada pela emissora, o autor mudou completamente o formato de sua história e transformou a novela em mais do mesmo. Todos os elementos de modernidade (e não apenas o inteligente computador “Frank”) foram tirados de cena, um bom exemplo disso é o personagem Albano (Guilherme Webber), um dos melhores da trama e que a deixou sem ter muito tempo de se tornar memorável, e a partir de então, o público passou a assistir a apenas mais um folhetim interessante.

Tempos Modernos não é e nunca foi uma novela ruim. Ela é muito mais interessante que boa parte do que se vê na TV neste horário nos últimos anos, porém, a pressão por bons números impediu que a Globo permitisse ao seu público um produto de qualidade impressionante e que poderia moldar os novos caminhos da teledramaturgia brasileira. Foi um risco que deveria ser calculado e, aparentemente, os resultados assustaram a todos que correram e transformaram um roteiro genial em arroz-com-feijão legal de se ver. Pena que o medo do fracasso impediu Tempos Modernos de se consagrar.


Fonte: Daniel César | TV x TV

2 Responses to Tempos Modernos e o medo do fracasso

  1. Thiago says:

    ••• Concordo quando o autor da machete acha que a novela não é ruim. De fato, não é ruim… é péssima! Uma das piores “coisas” que a Globo colocou no ar… Personagens absolutamente caricatos ao extremo que, mesmo em se tratando de uma obra ficcional, estavam longe demais do que vemos na nossa realidade. E sempre as novelas devem nos transportar a um mundo de magia sim, mas desde que tenha algo a ver com o nosso dia-a-dia, coisa que “Tempos Modernos” deixou completamente a desejar… e a audiência correspondeu a isso: índices pífios.

    ••• “Tempos Modernos” já vai tarde… é uma novela da qual eu e muita gente não vai sentir qualquer saudades…

  2. Mario says:

    Pessima
    Casal principal batido
    TRama velha de irmaos que nao sao irmaos
    Grazi de vila principal
    Fagundes volta como rei de um predio (absurdo)???

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: